Delta Aquáridas do Sul 2020

O radiante da chuva Delta Aquáridas do Sul sobre a Serra Mantiqueira (SP) enquanto Marte surge no horizonte leste, em 27/07/2020 [imagem: Wandeclayt M./Céu Profundo]

Ao longo de sua órbita, a Terra atravessa regiões do Sistema Solar onde cometas deixaram detritos. São esses detritos que ao entrar em nossa atmosfera tornam-se incandescentes e criam o espetáculo das chuvas de meteoros.

Chuva talvez seja um nome exagerado, considerando que, no melhor dos casos, observamos no máximo algumas dezenas de meteoros por hora. E isso se estivermos em locais realmente escuros e com o radiante (calma, a gente explica daqui a pouco o que é o radiante) bem em cima de nossas cabeças.

Acontece que nem todas as famosas chuvas de meteoros anuais podem ser bem observadas aqui no Brasil, por isso a chuva Delta Aquáridas do Sul merece atenção especial. Os meteoros associados à essa chuva parecem se originar em um ponto na direção das estrela delta da constelação de Aquário (esse ponto é o que chamamos de radiante!) que aparece bem alto no céu para observadores no Brasil, facilitando nossa observação!

Seu pico de atividade acontece nas noites de 28 e 29 de julho. A “chuva” será visível das 21h ao amanhecer, atingindo sua maior intensidade entre 1h e 3h da madrugada, quando a constelação de Aquário estiver em seu ponto mais alto no céu.

Como observar?

Não são necessários instrumentos como telescópio ou binóculos. Como meteoros são fenômenos rápidos e imprevisíveis, a melhor experiência para esse tipo de evento é obtida a olho nu – basta reservar um tempo para observar o céu.

É recomendável deixar o ambiente o mais escuro possível, evitando inclusive o uso de celulares e outros aparelhos luminosos durante a observação. Se precisar de uma lanterna, tente usar uma com luz vermelha ou usar papel celofane vermelho como filtro em uma lanterna de luz branca. Se possível, aguarde até que a Lua se ponha no horizonte.

Você não precisa olhar para o radiante. O meteoros podem surgir em qualquer parte do céu, mas sua trajetória vai parecer ter origem ali perto da delta de Aquário. Se parecer vir de outra direção, é um meteoro esporádico, que não pertence à chuva.

O que esperar?

Como dissemos, as “chuvas” de meteoro talvez se pareçam mais com uma lenta goteira. Num céu limpo e longe de poluição luminosa, a Delta Aquáridas do Sul pode produzir cerca de 16 meteoros por hora. Dentro das cidades, a iluminação pode tornar a observação completamente inviável! Portanto, é preciso tempo e céus escuros para conseguir ver uma quantidade razoável de meteoros.

O que NÃO esperar?

Imagens como essa mostrando vários meteoros são lindas e válidas, mas não representam uma chuva de meteoros vista a olho nu. Elas são fruto de horas de exposição e várias fotografias sobrepostas.

Imagem mostrando um céu escuro com parte da Via Láctea e vários rastros deixados por meteoros.
(Crédito: NASA)

E se nublar?

Esta é uma chuva que perdura até meados de agosto. Se na data do pico estiver nublado na sua região, ainda é possível tentar observá-la nas próximas noites.

Como toda observação astronômica, esse é um exercício de paciência e calma. Desejamos céus limpos e uma boa observação =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *