A batalha das luas: Saturno 82 x 79 Júpiter. O Senhor dos Anéis passa à frente no placar.

Representação artística das órbitas das 20 luas de Saturno recém confirmadas. [gráfico: Carnegie Institution for Science/ imagem de Saturno: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute/imagem de fundo: Paolo Sartorio/Shutterstock.]

O anúncio nesta segunda (07/outubro) da confirmação de 20 novas luas pelo Minor Planet Center da União Astronômica Internacional coloca Saturno no topo do pódio na disputa pelo posto de planeta com o maior número de luas em nosso Sistema Solar.

Além de ostentar os mais exuberantes anéis do Sistema Solar, Saturno agora também é o novo recordista em número de luas, contabilizando 82 satélites com órbitas confirmadas, superando Júpiter (com 79 luas confirmadas).

Imagem de Saturno após ocultação pela Lua, registrada através de telescópio de 203 mm – 2019-10-05 [Wandeclayt Melo/Céu Profundo. SkyWatcher 203mm f/6, Canon EOS 7D]

As observações que levaram às descobertas foram lideradas por Scott S. Sheppard, do Instituto Carnegie, utilizando o telescópio de 8.2m Subaru no monte Mauna Kea, no Havaí. Completam o time de observadores David Jewitt da Universidade da California em Los Angeles (UCLA) e Jan Kleyna da Universidade do Havaí.

As maiores luas de Saturno, assim como seus anéis, são visíveis mesmo a partir de pequenos telescópios. Titã, seu maior satélite, mede mais de 5000 km de diâmetro (uma vez e meia maior que nossa Lua) e possui uma densa atmosfera.

Imagens do telescópio Subaru revelando o satélite S/2004 S24, com intervalo de 1 hora entre as exposições. [Scott S. Sheppard]

As novas luas, no entanto, são mil vezes menores que Titã, com diâmetros em torno dos 5 km, e exigem instrumentos potentes para sua detecção. Além disso, as luas mais afastadas levam entre 2 e 3 anos para completar uma órbita em torno do planeta, demandando períodos longos de observação para confirmar seus parâmetros orbitais.

“Estudar a órbita destas luas pode revelar suas origens, além de indicar quais eram as condições ao redor de Saturno durante sua formação.”

Scott S. Sheppard

Mas mesmo que você não possa ver os satélites recém descobertos, não deixe de olhar para o céu, com ou sem telescópio, e observar Saturno no início das noites de Outubro. Após o por do Sol é possível vê-lo próximo ao zênite (o ponto diretamente acima da sua cabeça) na direção da constelação de Sagitário (veja o mapa abaixo).

Céu às 19h00 do dia 08/outubro/2019, na latitude de São José dos Campos (São Paulo). [imagem gerada no software Stellarium v. 0.19.1]

Leia Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *